Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Comentários recentes





O "jogo táctico"

por Naçao Valente, em 09.07.14

O golo é a alma do futebol. O golo faz vibrar os adeptos. Os comentadores de futebol usam na apreciação de determinados jogos a expressão "jogo táctico".  Em linguagem comum, a aludida expressão significa, que as equipas em campo não se preocupam em jogar, mas em não deixar jogar o adversário. Em suma, ninguém arrisca o mínimo. O resultado mais comum do "jogo táctico" é uma igualdade a zero. Neste campeonato mundial tem-se usado e abusado desta estratégia. Daí resultam longos jogos, sujeitos a prolongamento. No fim resolve-se com penáltis.

 

Aí está. Mais do mesmo nas meias finais entre a Argentina e a Holanda. Os penaltis são o justo castigo para duas horas de sacrifício vã. Em poucos minutos haverá um vencedor, possivelmente o mais bafejado pela sorte. Nestas circunstâncias, ambos mereciam perder. Quando se chega a esta situação o mais correcto seria disputar o jogo quarenta e oito horas depois, como acontecia noutros tempos. Para valorizar o futebol espectáculo e a verdade desportiva.

 

PS: desta vez passou a Argentina.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:23

Milagre? Joguem à bola.

por Naçao Valente, em 26.06.14

Define-se milagre como um acontecimento não explicável pelas leis da natureza. Esta definição, não permite, a aplicação do termo, a uma eventual passagem de Portugal à fase seguinte do mundial de futebol. Se Portugal for apurado em função de uma conjugação de resultados favoráveis, não acontece nenhum milagre. Acontece, simplesmente, a aplicação de leis da matemática, inseridas nas leis da natureza.

 

Independentemente de resultados de terceiros, para se dar o aludido "milagre" a equipa tem de fazer, com profissionalismo, o seu trabalho. Para usar uma expressão do mundo do futebol, devem jogar à bola. O que significa que têm que jogar a um ritmo muito mais elevado, com atitude, raça, competência. Resta saber se o conseguem. Uma coisa é querer e outra é poder. E, pelo já visto, é difícil acreditar, que estes jogadores, tenham condições físicas e psicológicas para superarem as suas insuficiências. Para além disso, não jogam sozinhos.

 

MG

 

  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:33

A bela adormecida, eis a selecção

por Naçao Valente, em 17.06.14

Vinde, senhores, assistir à espantosa história da bela adormecida. Entrou vaidosa e confiante, na sua incomparável beleza, na Arena e até deu um ar da sua graça. Mas foi sol de pouca dura, foi um ar que lhe deu. Imprudente, depressa se picou e voltou a picar nos picos que lhe colocou a bruxa má, com a ajuda do feiticeiro de OZ que fez dos seus guadiões  meros espantalhos.  E foi tão rija a picadela que adormeceu. É certo que ainda se tentaram levantar uns príncipes, mas grande ilusão. Eram apenas príncipes com orelhas de burro, sapos escalorados e anões de perna bem curta. A princesa adormeceu profundamente.

 

O que falta saber, senhoras e senhores, é se de entre candidatos a acordar a princesa, mal escolhidos, mal preparados, mal orientados, se levanta algum verdadeiro príncipe. Há pois, porque ser um real príncipe dá muito trabalho. Não é príncipe quem quer, mas quem faz por isso. E estes julgaram que bastava ter encanto e estatuto privilegiado. No sono profundo em que caiu a bela, vai ser mesmo preciso um batalhão de príncipes, humildes, competentes, solidários, laboriosos, para a acordar.

 

Esperemos pelo próximo capítulo. Aceitam-se palpites.

 

MG 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:55

A táctica de Aljubarrota

por Naçao Valente, em 01.07.10

 

Em Aljubarrota a proporção  era de um para dois. D. Nuno Alvares Pereira, aplicou a táctica do quadrado que tinha aprendido com os ingleses. fez-lhe umas alterações de acordo com o local e as circunstâncias. Colocou os seus homens entre dois rios, onde era preciso chegar po uma passagem estreita e minada. a cavalaria castelhana que vinha em louca cavalgada começou a a tropela~-se a si propria quando o terreno s de repente se estreitou, Depois começaram a cair que nem tordos nas chamadas covas de lobo. Os que entraram dentro do quadrado nem perceberam o que lhes estava a acontecer. De imediato começou a desorientação e a debandada. Então D. Nuno mandou as suas escassas tropas atacar os aparvalhados castelhanos e dar-lhe a estocada final.

 

Desta vez a batalha foi futebolística e teve como palco a Cidade do Cabo.O Comandante Queiroz mais conhecedor de história, do que de futebol resolveu aplicar a táctica de Aljubarrota. Colocou o seus(?) homens  dentro de uma grande área e disse-lhes. É proibido sair desse rectângulo. Esperem os espanhóis, aprisionem-nos e quando estiverem bem aprisionados não os deixem fugir. Mas virou-se o feitiço contra o feiticeiro. Os de Castela e da Catalunha é que enredaram os nossos no seu próprio labirinto, de onde só saíram para tomar um reconfortante banho. Porque falhou esta estratégia vitoriosa em Aljubarrota? Só encontro uma explicação. A diferença de QI entre os respectivos comandantes.

MG

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:33

Vencer

por Naçao Valente, em 25.06.10

 Imagemwww.zazzle.co.uk/joker_no_jogo_seleccao

 

O que é que distingue um vencedor de um perdedor? A vontade de vencer. Com que objectivo jogou Portugal contra a Coreia do Norte? Jogou para ganhar e ganhou com mérito e brilhantismo, mesmo tendo em conta as características do adversário. Como jogou contra a Costa de Marfim e contra o Brasil? Jogou para não perder e por isso não podia ganhar.

 

E contra a Espanha como será? Esta selecção tem potencial para ir longe se acreditar e quiser vencer. No futebol como na vida, só triunfa quem merece o triunfo. As meias tintas são o mundo dos falhados.

 

MG

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:16

Princípio de Peter

por Naçao Valente, em 19.06.10

 

Num sistema hierárquico, todo o funcionário tende a ser promovido até ao seu nível de incompetência." (no original, em língua inglesa, "In a hierarchy, every employee tends to rise to his level of incompetence"). Princípio de Peter

 

Currículo de Carlos Queiroz

 

Em 1987 integrou os quadros da Federação Portuguesa de Futebol, para treinar as camadas jovens.

 

Ganhou os títulos mundiais de juniores em 1989 e 1991

 

1994, como treinador da selecção principal de Portugal, falhou a qualificação para o Campeonato do Mundo,

 

1994/1996 treinou o Sporting Clube de Portugal,

 

2000/2002, treinou a África do Sul,

 

2003, foi contratado para treinador principal do Real Madrid,

 

No Manchester United foi adjunto de Alex Ferguson .

 

Será que  Carlos Queiroz, sem nada de relevante a assinalar na sua carreira de treinador de seniores, atingiu o" nivel de incompetência"  de acordo com o principio de Peter?

 

MG

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:03




Comentários recentes