Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Comentários recentes





Limpinho

por Naçao Valente, em 09.08.15

Prognósticos só no fim do jogo. É a resposta politicamente correcta. Pode aplicar-se com propriedade à final da Supertaça. Mas desta vez não há necessidade, porque o vencedor já está determinado. Sporting? Benfica? Nem um nem outro! O ganhador do troféu, limpinho, limpinho, só pode ser um, o Cérebro. Como? É simples. O Cérebro preparou as duas equipas. A que deixou e a que agora tem. Disse-o com todas as letras. Assim joga em dois tabuleiros. Clarinho como a água destilada. Seja qual for o resultado final ele, o Cérebro, terá a vitória. Um duplo troféu.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:38

Há petróleo em Alvalade

por Naçao Valente, em 06.06.15

Sou sportinguista sem filiação em qualquer facção do clube. Nem brunista nem anti-brunista. Não me identifico com comportamentos,e com certas atitudes do Presidente. No entanto, a forma como lidou com a situação financeira procurando equilibrar despesas e receitas e diminuir custos surpreendeu-me. Apesar disso, soube escolher bons treinadores e com os meios existentes conseguir bons resultados.

A sua atitude guerreira disparando em todas as direcções e arranjando conflitos judiciais por tudo e por nada, processos atrás de processos, começaram a deixar-me preocupado. A sua sede de protagonismo, a sua personalidade de superego, confundindo a sua pessoa com o Sporting, causaram-me fortes  receios. Contudo, continuei a acreditar. Ainda há pouco tempo dei a minha contribuição para a missão Pavilhão, mas já estou arrependido.

As minhas desconfianças comprovaram-se. O homem não respeita os contratos assinados. E nesse aspecto faz-me lembrar o senhor Vale e Azevedo de má memória. O despedimento com justa causa(?) de um jovem e promissor treinador, que acabou de vencer o primeiro título em sete anos, foi a cereja em cima do bolo. Ética, respeito, compromisso não fazem parte do seu vocabulário.

Depois da contenção, depois de recusar um único reforço ao seu treinador, eis que num estalar de dedos, o dinheiro começou a jorrar a rodos. Contrata-se um técnico que vai ganhar 15 milhões em três anos. Fala-se em mais dinheiro para reforços sonantes. Estranho. Sobretudo porque o dinheiro não brota das pedras. Mas pode brotar do petróleo. Não encontro outra explicação: há petróleo em Alvalade.

MG

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:30

Estupidamente apaixonado

por Naçao Valente, em 23.05.14

Porque é que te dei a minha mão

dinheiro talvez

nem eras a minha grande paixão

e bem o vês

foi um casamento de conveniência

mas que deu certo

tiveste comigo enorme paciência

no longo deserto

 

Não acreditas-te que te queria deixar

acarinhaste-me

e quando o homem do norte me quis levar

as mãos me untaste

eu aceitei com alegria tanta generosidade

 e muito agrado

pra compensar as economias que me levou

o banco privado

 

Estupidamente apaixonado

garanto que não é ganância

quero ficar sempre a teu lado

e já esqueci amor de infância

Estupidamente apaixonado

demorei mas dei-te um tri

não quero ir pra outro lado

sinto-me bem ao pé de ti

 

Eu sempre tive a mala feita

 bem recheada

mas não te faço essa desfeita

para nada

acredita no meu amor eterno

SLB

só dou o meu carinho terno

a você

 

Estupidamente apaixonado

consegues ser a minha luz

 reneguei o meu pecado

 e por amor sou Jesus

Estupidamente apaixonado

ai! como é louca esta paixão

nada me leva a outro lado

prendeste-me o meu coração

 

MG

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:41

Limpinho míster?

por Naçao Valente, em 22.04.13

DN.pt     Só dois?

Cada um é para o que nasce. Jorge Jesus nasceu para ser um treinador competente. E também nasceu com muito mais jeito para dar pontapés na gramática,do  que na bola, enquanto jogador. Sobra-lhe em proficiência futebolística o que lhe falta no domínio do verbo. É assim a vida. Não se pode ter tudo ou dito de outra maneira, ninguém é perfeito. Mas como a maioria dos analistas, do jogo, aprendeu a distorcer a realidade de acordo com os seus interesses. Sobre o resultado do último derby afirmou: "ganhámos limpinho". E se a menor capacidade retórica não é nenhum pecado, crime de lesa-pátria, já a análise propositadamente falsificada é desonestidade intelectual. E mesmo no reino do futebolês é a honestidade que distingue os grandes dos pequenos homens. Limpinho míster? Vou ali e já venho!

 

MG

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:56




Comentários recentes