Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nação valente, ao sul

Odeleite Cabeça do dragão azul

Nação valente, ao sul

Odeleite Cabeça do dragão azul

Nas últimas décadas do século XX, no verão, as nossas estradas, de má qualidade, animavam-se com a invasão de carros de grande cilindrada e matrícula estrangeira. Eram os emigrantes portugueses vindos da Europa desenvolvida e que vinham de "vacances" à terra mais madrasta que mãe. Para além do carro, portador de estatuto social, usavam a língua do país de acolhimento para o mesmo efeito. Ainda hoje se utiliza, com carácter anedótico, a expressão: - Jean Pierre, faire (...)
21 Fev, 2014

Caça aos Tordos

Fernando Tordo é um músico com idade sénior. Ganhou a vida como cantor, uma profissão tão digna e tão honesta como qualquer outra. Com sessenta e cinco anos e escassa reforma teve de emigrar, como outros milhares de portugueses. O seu filho, João Tordo vive da escrita, um trabalho que merece todo o respeito e consideração. A propósito de um texto escrito por João Tordo sobre a situação do seu pai gerou-se, nas redes sociais, uma parafenália de prosas bárbaras. Pelo (...)
Português suave e triste Da puta que te pariste És filho de uma monção. Enquanto lavas no rio Roupa  de fome e de frio Inventas uma nação. Com as tábuas do teu caixão   Português suave e triste Do povo de onde saíste Fizeste a revolução Com a tua própria mão. Com teu sangue abençoado Regaste o teu chão sagrado Mas a tua vida não   Português suave e triste Com saudade partiste Nas asas de uma oração, Com pimenta te vestiste E como foste viestes (...)
18 Fev, 2011

Utopia e realidade

O que aconteceu de concreto na chamada revolução jasmim?A queda do presidente ditador, a promessa de eleições daqui a alguns meses e a tentativa de milhares de tunisinos de entrar em Itália para usufruir do eldorado europeu.   Uma coisa é a justa crença em utopias e a outra é a crua realidade. A prosperidade ocidental levou séculos a construir, com muitos avanços e recuos. A prosperidade não se decreta, constrói-se. A  construção da sociedade de bem estar não se faz com (...)
13 Nov, 2010

Emigrações

A emigração  está desde sempre na génese do povo português. Todos, ou quase todos os portugueses tiveram ou têm familiares emigrados. Na Galiza, um prolongamento natural de Portugal, a poetisa Rosalia de Castro escreveu este cantar emigrante. Em Portugal, um prolongamento da Galiza o músico José Niza e duas fabulosas vozes, Isabel Silvestre e Adriano Correia de Oliveira, deram expressão cantada a este belo poema. Divino.  
27 Mai, 2010

Diáspora

Um Fulano, não identificado, escreveu num comentário ao meu post Portugal tem futuro: Então não? porteiras e pedreiros em Bucareste desta vez . Como não tive acesso ao Link para responder vou aproveitar a afirmação para fazer algumas reflexões sobre a tradicional diáspora portuguesa que se bem percebi é o significado implicito do comentário, Antes de mais quero dizer sem qualquer complexo que pedreiro ou porteira são profissões tão dignas como quaisquer outras, quer (...)