Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Comentários recentes



subscrever feeds



Parêntesis (porque hoje é Domingo)

por Naçao Valente, em 22.01.12

Foi uma semana dura. E quando a coisa parecia compor-se com a assinatura do Acordo para a Exploração com o homem dos pastéis, cai-nos em cima a situação preocupante do nosso Presidente da República: uma reformazinha de alguns milhares de euros que não dão para as despesas, apesar de usufruir de cama, mesa e roupa lavada. Para não me angustiar mais, para a semana penso nisso. Como hoje é Domingo vou fazer um parêntesis e aproveitar este abençoado dia de Sol. Porque já dei muito para esse peditório, nem amarrado me apanham num Shopping,. nem numa livraria( e livros, népia e escritores, puf). Vou mesmo é respirar ar livre (já que ar puro é conversa)

Ao acaso vi-me na baixa de Lisboa a calcorrear as calçadas do Chiado. Aproveitei até para me encontrar com a minha amiga Lu (ex-colega de curso e quase conterrânea quanto ao local de origem). Encontramo-nos sempre em Janeiro, para trocar as prendas de Natal (nunca percebi porquê). Quando cheguei à esplanada da Brasileira já lá estava a Lu com o seu cabelo prateado de cor natural (parece que é agora moda entre as jovens pratearem-no) e com  o seu ar doutoral ( com toda a propriedade pois doutorou-se  nos poderes na velha Assíria). Sentei-me, bebemos um café, pusemos a conversa em dia (falamos da vida, da crise, da família…). Insignificâncias.

Entretanto o meu olhar e a minha mente desviaram-se para uma figura silenciosa de óculos redondos e bigode, sentado numa mesa ao lado. Mas de onde é que o conheço, pensei, enquanto a Lu continuava a arengar. Pois claro que o conheço, é o Pessoa, sem tirar nem pôr. Pensamento não era concluído, já se sentava numa cadeira ao seu lado, uma turista de calção e t-shirt e com umas grandes tranças louras. Tirada a foto para sempre recordar, outra se sentou perante o ar impávido do nosso bardo, no seu corpo de pesado e eterno bronze. E se na sua mensagem foi capaz de profetizar Portugal,

 

NEVOEIRO

Nem rei nem lei, nem paz nem guerra,

Define com perfil e ser

Este fulgor baço da terra

Que é Portugal a entristecer –

Brilho sem luz e sem arder,

Como o que o fogo-fatuo encerra. 

Ninguem sabe que coisa quere.

Ninguem conhece que alma tem,

Nem o que é mal nem o que é bem.

(Que ancia distante perto chora?)

Tudo é incerto e derradeiro.

Tudo é disperso, nada é inteiro.

Ó Portugal, hoje és nevoeiro... 

É a Hora!

 

nunca imaginou esta função de modelo fotográfico ao lado de tantas Ofélias, que só gozou em espírito quando vivia num corpo de carne e osso. É a hora disse, desenquadrado da conversa, perante o espanto da Lu: é o quê? É a hora, disse voltando à realidade, de trocarmos as prendas, antes que nos proíbam o Natal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:50




Comentários recentes



subscrever feeds