Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A menina das análises

por Naçao Valente, em 25.08.14

Fazer análises de sangue, especialmente o vulgar hemograma, é hoje uma prática generalizada. É uma coisa tão corriqueira que não merece enquanto experiência individual uma linha mal alinhavada. Só mesmo uma mísera falta de assunto ou de engenho para o abordar, associada a uma vã glória de escrever umas loas a qualquer preço as faz assunto de crónica.

 

Entre os fazedores de análises há os normais que as fazem como quem vai tomar uma bica e os cagarolas que tremem só de as imaginar. É o meu caso. Ou melhor era o meu caso, porque tudo na vida é feito de mudança. E o meu horror a agulhas rasgando-me a epiderme, furando-me a veia e vampirizando-me o sangue, mudou de uma forma acidental. Tudo começou quando a minha velha doutora analista, em boa hora,  se reformou. Boa profissional, meticulosa muito trabalhadora sem dúvida. Tão trabalhadora que ganhou artroses a espetar agulhas, estragou os olhos a espreitar para dentro de microscópios, arruinou o sistema respiratório a snifar estranhos reagentes. Se alguém merece um prolongado descanso é a minha velha analista.

 

No laboratório onde me sujeitei há tortura das agulhas está agora uma nova doutora analista. Nova na total acepção da palavra. Mas chamar-lhe doutora, com aquele palminho de cara e aqueles olhos capazes de encantar passarinhos não me parece apropriado. Doutora é um termo ou chavão que fica bem a pessoas com ar soturno. A minha nova analista não merece esse castigo. Por isso vou chamar-lhe simplesmente menina das análises. 

 

Quando me sento naquela cadeira começo de súbito a tremer. Começo não, começava. Agora fixo-me na candura da minha menina analista que me pergunta qual anjo do paraíso:

-Está a sentir-se bem?

-Estou, estou mesmo muito bem, respondo com a máxima sinceridade. Perturba-me é olhar para o sangue. Não se importa que olhe para si...

- Pode olhar, diz com uma sua voz capaz de redimir um pecador, olhar não tira pedaço.

- Tirar não tira digo em silêncio, mas vontade não me falta, falta-me é coragem.

A última sensação que retenho é a dos dedos delicados a percorrer-me o braço para encontrar a veia. Ao fim de algum tempo ouço de novo a sua voz:

-Pronto já está!

-Já está?

Nem agulha a romper-me a veia, nem seringa a sugar-me o sangue. Apenas sensação de que o que é bom acaba depressa.

. É estranho, mas agora não me importo de fazer análises. E digo sem ironia: até as faria todos os dias, de bom grado, como uma penitência.Talvez ainda bole uma estratégia para convencer o meu médico a fazer das análises uma espécie de terapêutica continua. Sim porque a menina das análises é seguramente mais de meia cura pois se  Deus nos brinda com criatura tão angelical é porque só quer o nosso bem. E até deixei de ter pesadelos com profetas do Apocalipse, tipo Medina Carreira, porque agora estou convicto que estes demagogos da desgraça são seguramente enviados do demo. Estes e a corte de aprendizes de mafarrico que nos sugam até ao tutano e ainda nos querem roubar a alma. Mas não hão-de conseguir, porque com a menina das análises no pensamento sou invencível.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:45


5 comentários

Sem imagem de perfil

De partebilhas a 30.08.2014 às 18:05

Também não gosto muito dessas picadelas e ia ao castigo uma vez por ano. Agora mais aliviado, a médica de família já não recomenda tal porque foi avisada para se fazer economias.
Dantes era necessário, agora o principal é que os velhos vivam menos.
Modernices...digo eu!
Imagem de perfil

De Naçao Valente a 30.08.2014 às 23:52

E diz bem. Os velhos agora são uma chatice.
Imagem de perfil

De golimix a 01.09.2014 às 22:00

Decerto me irá perdoar a intromissão género sabichona, mas penso que o termo correcto nem será doutora, embora haja nos laboratórios de análises alguns doutorados em Bioquímica, mas esses não estão nas colheitas de sangue. O termo será mesmo Técnica de Análises. E é um curso superior, mas mais de cariz técnico.
E principalmente a parte feminina da profissão detesta ser apelidada de "menina das análises", que por acaso é como o povo as batiza... sou vizinha de uma e por isso estou bem informada sobre o tema

Quanto a fazer análises. Nem com "meninos de análises" jeitosos me safo... as minhas veias escondem-se mal vêem a agulha!!! Umas medricas as tipas! Porque eu? Eu sou rija como um pêro!

Ah! Adorei a dissertação, não seja tão cruel com as banalidades que escreve! Consegue transformá-las em algo digno de destaque! Estivesse a SAPO mais atenta....embora, admito, já não olho para isso há séculos.
Imagem de perfil

De Naçao Valente a 02.09.2014 às 17:36

A utilização do termo "menina das análises" é propositadamente ternurento. Agora essa das veias se esconderem mesmo de jeitosos manipuladores de agulhas não entendo. Quanto aos gostos do Sapo são gostos. Não se discutem.
Imagem de perfil

De golimix a 04.09.2014 às 08:33

Gostos que às vezes só vêem o que querem ver... mas eu já disse num famoso post (http://golimix.blogs.sapo.pt/86721.html) o que devia dizer e agora já está.

Comentar post





Comentários recentes