Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nação valente, ao sul

Odeleite Cabeça do dragão azul

Nação valente, ao sul

Odeleite Cabeça do dragão azul

O que se está a passar com a questão da recuperação do tempo de serviço dos professores é surreal. Que o BE e o PCP aprovem um diploma que dá, aparentemente, todo o tempo congelado faz sentido. São pequenos partidos de protesto ou de refúgio dos que se sentem prejudicados no que consideram ser os seus direitos específicos. Que o CDS o faça não me espanta. É um partido "rã" que quer ser "boi" e não olha a meios para atingir os fins. Que o PSD vá por esse caminho mostra total (...)
Paulo Rangel pessoa pouco recomendável, político sem escrúpulos e sem limites, abriu uma espécie de caixa de Pandora, no seu afã populista de conquistar votos a qualquer preço. Desencantou esse crime de lesa pátria que é existirem neste Governo quatro ministros que têm relações familiares. Acontece que estes ministros já fazem parte do Governo desde que foi eleito. Mas porque raio o aludido deputado só agora se apercebeu? É simples: vão realizar-se eleições europeias em Maio. Trazer este assunto à baila não passa de pura chicana política. Que acusação fazem aos referidos políticos, para além dos laços familiares? Nenhuma. São incompetentes? Não estão a cumprir bem as suas funções? Estão acusados de actos de (...)
Ana Rita Cavaco, conseguiu fazer a quadratura do círculo, sendo ao mesmo tempo presidente da Ordem dos Enfermeiros e sindicalista. Mas para além disso, já conseguiu ser mais conhecida que o simpático e inofensivo rapaz conhecido como emplastro. Aliás ela própria se posiciona com um verdadeiro emplastro. A senhora Ana Rita Cavaco diz-se enfermeira, mas é pouco. Uma enfermeira ciente da sua função e da sua responsabilidade não abandona os seus doentes, e muito menos incentiva (...)
    "Esfaqueador"  vem a Vla Franca de Xira, dia 4 de Novembro  às 16H00, e traz um Porto de Honra.  Entre o Douro, o Porto, Lisboa e Luanda, as personagens cruzam-se e descruzam-se, ao sabor dos seus desejos, vontades e acões, numa espécie de caldo sempre a ferver, como parece ser cada vez mais o dia-a-diado mais anónimo dos cidadãos.  
26 Jul, 2018

Verão, qual verão

 Este verão é um incumpridor. Não cumpre o calendário. Ou sofre de amnésia, ou ainda dorme a sono solto. Quem ganha com esta displicência estival é a primavera. Lá vai ocupando o espaço do seu sucessor, que não aparece para mudar o turno. E os adoradores do calor, os que gostam de torrar nos areais que bordam o mar, e por aí andam deprimidos, a controlar o vício, que tenham um pouco de paciência. Dizem que o verão foi para norte, dar um lamirezinho, aqueles deslavados da (...)
Não sou adepto de qualquer regime ditatorial, embora do ponto de vista histórico os compreenda em determinados contextos. O regime absolutista dos czars, estava,no início do século XX já fora do seu tempo. Daí que tivesse sido derrubado, dando lugar a uma democracia parlamentar. Mas a burguesia pouca expressiva que a criou, não foi capaz de dar resposta a três problemas do povo russo, a pobreza, a exploração e a guerra.     Perceberam isso os comunistas, dirigidos por sectores (...)
16 Jul, 2018

STOP

     A resiliência pode ser uma virtude no comportamento humano, mas quando se em teimosia sem sentido, é um absurdo absoluto. A greve dos professores às avaliações, uma das vertentes do ptransformarocesso de luta, com alguma eficácia no ensino, chegou ao ponto em que se insere na absurdidade. A greve fez o seu caminho, com poucos progressos nas negociações, mas conseguiu, pelo menos deixar portas abertas. Os maiores sindicatos com representatividade na classe docente, já a (...)
09 Jul, 2018

Discurso sobre nada

Hoje apetece-me escrever sobre nada, mesmo sobre nada, ainda que nada seja. Greves e mais greves, manifestações e mais manifestações. Todas na função pública. No sector privado está tudo como Deus com os Anjos. Uma harmonia suprema. Quando assim acontece é como se houvesse nada. É esse o mundo sem pecado. Os professores estão felizes. Pararam as avaliações. Não há notas, não há nada para ninguém. Estes gajos do Governo são uma nulidade, o mesmo que nada, nem sabem (...)
A imprensa mudou o mundo. Paradoxalmente o mundo que ajudou a mudar foi o resposável pela sua perda de influência, no novo mundo da comunicação. O jornal em papel está hoje ultrapassado por outros meios mais apelativos. Ainda procura adaptar-se e resistir na área digital, como irá acontecer com o Diário de Notícias. Este, pela sua idade, velho jornal viveu em três séculos e deixa um espólio de gande valia para a posteridade. Ouutros como o emblático Século ou os vespertinos (...)
25 Abr, 2018

Capitães de Abril

Capitães do meu país Soldados da minha terra Viram o povo infeliz E com paz fizeram guerra.   No alvor da madrugada Acordaram a cidade E sem nunca pedir nada Ofereceram liberdade.   No força que idealizaram Esperança de mil cores Quando as armas dispararam Delas saíram flores.   E no seio da revolução Nasceu uma democracia  E com ela a convicção Que é real a utopia.   E quem nunca viu Abril Nem sabe a revolução Urdiu artimanhas mil Subjugou a nação. (...)