Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Nação valente, ao sul

Odeleite Cabeça do dragão azul

Nação valente, ao sul

Odeleite Cabeça do dragão azul

 

Nasci, cresci e vivi em tempos de pensamento único. Nesses anos de fascismo não havia liberdade de expressão, liberdade de manifestação, liberdade de qualquer discordância com o poder vigente. Foi com muita alegria que assisti ao movimento militar que derrubou o regime ditatorial, em 25 de Abril de 1974. Tive o privilégio de poder assistir em directo, no Largo do Carmo, à sua queda. Tive o privilégio e disso me orgulho, de contribuir para o triunfo do sistema democrático, durante os anos de setenta e quatro e setenta e cinco. Ajudei a  combater a deriva aventureirista e antidemocrática, nas fileiras do Partido Socialista. que teve um papel fulcral  na  defesa das liberdades ameaçadas.  Porque a memória é curta, é bom lembrar nestes nos tempos cínicos de "vale tudo"  que hoje vivemos. Por opção pessoal e profissional afastei-me da política activa, limitando-me a ser, nesta vertente, um cidadão atento e participativo.

 

Posso afirmar, sem falsa modéstia,  que fiz alguma coisa, pelo 25 de Abril,  mas tenho de reconhecer que  o 25 de Abril fez muito mais por mim.Deu-me a liberdade a  que sempre aspirei. Abriu-me horizontes e portas que me deram acesso a uma formação universitária e a uma carreira profissional no ensino e nesta profissão sinto ter contribuido para a formação de milhares de jovens e adultos.

 Estarei sempre grato à revolução dos cravos e identifico-me com todos os seus valores de liberdade, igualdade, tolerância. Penso que estes valores fazem parte da matriz genética da nação portuguesa. Estão presentes no espírito do Fundador ao criar um pais contra a hegemonia castelhana. Estão presentes na revolução popular de 1383 que levantaram, a nação contra o golpismo de Castela. Estão presentes na abertura de novos horizontes na aventura marítima. Estão presentes em 1640, nas lutas liberais do século XIX ou no 5 de Outubro de 1910. O resto são noites escuras e obscuras, nuvens negras, mas passageiras . Mas é preciso continuar vigilante porque os partidários da vertigem ditatorial andam por aí e o mais preocupante, às vezes disfarçados de defensores de amplas liberdades  para as quais nunca contribuíram. Acredito que não passarão porquea vocação desta nação é ser valente e democrática.

MG