Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Nação valente, ao sul

Odeleite Cabeça do dragão azul

Nação valente, ao sul

Odeleite Cabeça do dragão azul

11 Set, 2013

Perna curta

A mentira tem perna curta. Apanha-se mais depressa um mentiroso que um coxo. A verdade é como o azeite vem sempre ao de cima. Apesar destas evidências poucos ou nenhuns resistem à tentação de mentir. Deve até fazer parte do ADN humano. Comprovam-no as criancinhas mal largam os cueiros. E nem se pode ainda  alegar qualquer tipo de aprendizagem. Continuam os jovens quando escondem os maus resultados escolares. E nos adultos é um fartar vilanagem. A refinação aumenta com o aumento da maturidade. A mentira faz parte da sobrevivência do ser humano.

 

Tal e qual. Nenhum político, por exemplo, sobrevive se quiser ser, mesmo contra-natura, paladino da verdade. Nenhum partido ganha eleições se não prometer o que sabe que não vai cumprir. Nenhum líder partidário chega ao topo se persistir na total sinceridade. Nenhum dinossauro autárquico se perpetua montado na autenticidade. Não há chefe religioso que consiga garantir a vida no além. A não verdade é transversal. Da direita à esquerda todos a utilizam. E até os iconoclastas da pureza ideológica não a desprezam. Veja-se a tomo de exemplo a recente biografia fotográfica de Cunhal. Todo o protagonista incómodo, desde opositores de famílias colaterais a membros caídos em desgraça, é retirado da película e condenado ao ostracismo. E tantas vezes sem qualquer efeito prático, o que prefigura uma utilização compulsiva da mentira.

 

A mentira tem perna curta e grande eficácia. Uma trafulhice financeira empobrece milhares e enriquece dezenas. De um dia para o outro. Uma agência de rating, a mentira organizada, com um estalar de dedos, arruína uns países em detrimento de outros. Geralmente saca dos mais pobres para dar aos mais ricos. Apanha-se mais depressa um mentiroso que um coxo. Pode ser. Só que quando se apanha já fez os estragos todos. Só que quando apanhados assobiam para o lado. E de mentira em mentira lá vamos cantando e rindo. De tal modo que perigoso não é mentir mas dizer a verdade. Com a verdade não se vai longe. De verdades estão os manicómios cheios.  

5 comentários

Comentar post