Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Nação valente, ao sul

Odeleite Cabeça do dragão azul

Nação valente, ao sul

Odeleite Cabeça do dragão azul

Teresa Torga Teresa Torga

Vencida numa fornalha

Não há bandeira sem luta

Não há luta sem batalha

 

José Afonso

 

 

 

 A propósito de um post que publiquei em Setembro sobre a canção Teresa Torga de José Afonso,recebi este elucidativo e magnífico texto de Alan Romero, que descobriu que a personagem da canção era real . Descobriu ainda que gravou canções e teve a gentileza de me as facultar em versão áudio. Os meus agradecimentos. Aqui as deixo a quem interessar.
MG

Teresa Torga e a música de Zeca Afonso

0

Quem é Teresa Torga? Até há bem pouco tempo, muitos portugueses julgavam tratar-se de uma personagem inventada pelo compositor e cantor José Afonso, o nosso Zeca Afonso, ícone da canção lusa do período da Revolução dos Cravos, e infelizmente falecido em 1987. No seu LP "Com as minhas tamanquinhas", de 1976, este misterioso nome dava título a uma das canções. O compositor, em diversas entrevistas, sempre disse ter se inspirado numa notícia de jornal.

 


De degrau em degrau
composição de Nóbrega e Souza e Jerônimo Bragança
interpretação de Tereza Torga

 


Rua sem luz
composição de Antônio José e Nóbrega e Souza
interpretação de Tereza Torga


A letra fala da triste história de uma artista decadente que, numa atitude tresloucada, dançava nua em plena tarde numa avenida lisboeta. A cena inusitada atraiu a atenção de um repórter que, no entanto, não conseguiu fotografá-la devido aos protestos dos transeuntes, revoltados com o que consideraram uma exploração degradante. Entretanto a canção tornou-se um clássico da luta pelos direitos da mulher em Portugal.

Só em 2006 o texto original foi dado a público, através do livro "Os loucos dias do PREC", de Adelino Gomes e José Pedro Castanheira. A notícia, publicada originalmente no Diário de Lisboa, confirmava o conteúdo da canção e dava mais pistas: ela tinha sido fadista, atriz de teatro de revista e vivido durante algum tempo no Brasil. Reportava também a sua condição de paciente de um conhecido hospício.

Recentemente, o blog português "Rua dos dias que voam" localizou uma entrevista de Teresa Torga na extinta revista Plateia. Ela fala dos sete anos em que morou no Rio de Janeiro, tendo trabalhado com Maria Della Costa, Costinha e outros grandes nomes do teatro e da televisão. A musa de Zeca Afonso mostrava sua face: a matéria é ilustrada com duas fotos, as únicas conhecidas da artista.

Mas o que mais despertou a minha curiosidade foi a referência a um disco que ela teria gravado com as canções "De degrau em degrau" e "Rua sem luz".

Imediatamente mergulhei no Google em busca dessas gravações. Revirei a internet de ponta a ponta até que localizei essa raridade no acervo da Discoteca Oneyda Alvarenga! Trata-se de uma edição do selo Chantecler, de 1962, talvez a única cópia existente, preservada graças a esta instituição.

Teresa Torga aos poucos vai saindo da bruma do esquecimento. De suposta personagem ficcional passou a ter existência documentada. Depois viu-se-lhe o rosto. E agora ganha voz!

A Associação José Afonso agradece à Discoteca Oneyda Alvarenga a oportunidade única concedida aos fãs do Zeca de poderem ouvir tão preciosos áudios.

Alan Romero
Jornalista, pesquisador musical e colaborador da Associação José Afonso

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.