Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes

  • Partebilhas

    Gostei deste seu texto.Muito bem observado. Na rea...

  • Naçao Valente

    Que não seja uma roletae que haja muita alegriaum ...

  • poetazarolho

    Vem aí um ano novoVelho já no conteúdoPara ilusão ...

  • Kruzes Kanhoto

    Presidente da Republica é um cargo decorativo. Ser...

  • simplesmente avô

    Talvez seja preferível "cem anos de solidão" a cem...





Pessoa, oitenta anos depois

por Naçao Valente, em 01.12.15

 

 
 

«Fernando Pessoa em flagrante delitro»: dedicatória na fotografia que ofereceu à namorada Ophélia Queiroz em 1929. Um poeta com sentido de humor.

 

Fez oitenta anos que o poeta morreu. O ano da morte de Fernando Pessoa foi 1935 no dia 30 de Novembro. O poeta passou pela vida de forma discreta, mas a sua obra libertou-o da lei da morte: o esquecimento. Inteligência rara e criativa, pensador livre e descomprometido, desdobrou-se em múltiplas personalidades para dar corpo a um  imenso caudal reflexivo. Escrevia por prazer e com prazer, mesmo quando expressava a sua verdadeira dor. O seu pensamento disperso por uma vasta obra poética é hoje um legado importante para a humanidade. Cidadão português do mundo, merecia ser mais divulgado e conhecido pelos seus compatriotas. A casa Fernando Pessoa inaugurada em 1993, já lhe prestou justa homenagem, entre outras actividades, com a passagem do Filme do Desassossego. Aqui deixamos o nosso modesto contributo, recordando um dos seus poemas com assinatura de Alberto Caeiro e uma interpretação musicada de "Há uma música do povo" na bela voz de Mariza:

 

 

 

Se depois de eu morrer, quiserem escrever a minha biografia,
Não há nada mais simples
Tem só duas datas — a da minha nascença e a da minha morte.
Entre uma e outra todos os dias são meus.

Sou fácil de definir.
Vi como um danado.
Amei as coisas sem sentimento nenhum.
Nunca tive um desejo que não pudesse realizar, porque nunca ceguei.
Mesmo ouvir nunca foi para mim senão um acompanhamento de ver.
Compreendi que as coisas são reais e todas diferentes umas das outras;
Compreendi isto com os olhos, nunca com o pensamento.
Compreender isto com o pensamento seria achá-las todas iguais.

Um dia deu-me o sono como a qualquer criança.
Fechei os olhos e dormi.
Além disso, fui o unico poeta da Natureza.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


9 comentários

Imagem de perfil

De Olavo Rodrigues a 01.12.2015 às 19:41

Muito boa prosa e poesia também. No entanto, gostava de fazer um reparo: Fernando Pessôa faleceu há oitenta anos, não há quarenta.
Imagem de perfil

De Naçao Valente a 02.12.2015 às 18:47

Muito obrigado pelo comentário. Tem razão quanto aos anos em que o poeta morreu. É só fazer as contas. Pelos vistos não sou forte em matemática.
Sem imagem de perfil

De Já agora, eu também... a 01.12.2015 às 20:53

Excelente texto.
Mas...há gafes e falhas graves.
Imagem de perfil

De Naçao Valente a 02.12.2015 às 18:59

Tem razão. Há falhas e gaffes, que se devem à não revisão do texto. Mea culpa. Vou corrigir.
Imagem de perfil

De Joana Pires a 01.12.2015 às 22:30

Foi um erro de contagem, com certeza, visto que o ano da morte está correcto mas Fernando Pessoa deixou-nos há 80 anos... http://expresso.sapo.pt/sociedade/2015-11-30-Pessoa-morreu-no-Bairro-Alto.-Ha-precisamente-80-anos.
Parabéns pelo destaque e pelas palavras. Sem dúvida que um génio como Pessoa merecia esses e muitos mais elogios tal era a qualidade da sua escrita e do seu pensamento.
Imagem de perfil

De Naçao Valente a 02.12.2015 às 18:48

Tem toda a razão no reparo. É só fazer as contas. Farei a correcção. Obrigado pelo comentário.
Imagem de perfil

De golimix a 02.12.2015 às 09:14

Bonita, e merecida, homenagem.

Imagem de perfil

De Naçao Valente a 02.12.2015 às 18:51

Obrigado e continuação de boa recuperação.
Imagem de perfil

De golimix a 03.12.2015 às 10:32

Obrigada.
Está a ir devagarinho e a passinho de caracol cansadito.

Comentar post





Comentários recentes

  • Partebilhas

    Gostei deste seu texto.Muito bem observado. Na rea...

  • Naçao Valente

    Que não seja uma roletae que haja muita alegriaum ...

  • poetazarolho

    Vem aí um ano novoVelho já no conteúdoPara ilusão ...

  • Kruzes Kanhoto

    Presidente da Republica é um cargo decorativo. Ser...

  • simplesmente avô

    Talvez seja preferível "cem anos de solidão" a cem...