Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes

  • Ametista

    Escapou-me dizer o quanto gostei do poema. Ternure...

  • Ametista

    Também tive muito gosto em visitá-lo... mas sabe q...

  • Naçao Valente

    Muito Obrigado. Desejo-lhe, em dobro, triplo...tud...

  • Ametista

    Passei para lhe deixar um abraço e o desejo de um ...

  • Partebilhas

    Gostei deste seu texto.Muito bem observado. Na rea...





Juízo do ano que aí vem

por Naçao Valente, em 31.12.15

 

 

Mais uma ano que termina, mais um ano que começa. Despedimo-nos do velho, festejamos o novo. Rei morto rei posto. E contudo trata-se apenas de mais uma data do calendário na inexorável marcha do tempo. Mais uma data que serve para uns festejos mais ou menos comerciais porque tudo gira à volta do consumo.

Entretanto o zé pagode ou o zé pagante cumpre a tradição, come umas passas, bebe um espumante nacional ou importado e debita una lugares comuns de bom ano: feliz ano novo, muita paz e ainda mais felicidade. Depois volta ao lufa lufa do dia a dia nem sempre muito feliz. Desenterra o machado de guerra e esquece a paz por mais trezentos e sessenta e cinco dias. Na família, no trabalho, nas buzinadelas e insultos das guerras de latas, no civismo mitigado. Das guerrinhas do nível micro para as guerras do nível macro é um ver se te avias. Armas, mortes, sofrimento e dinheiro, muito dinheiro, mais um Banco para pagar. Nova corrida, nova viagem.

 

Espero um ano como todos os outros. A hipocrisia de muitos políticos e das suas ladainhas; o despertar dos monstros da xenofobia; a divisão da sociedade em esforçados produtores e preguiçosos sem emenda; uma divisão da riqueza muito desigual (90% com a mesma quota que 10%); Os dez por cento cada vez mais ricos e os noventa por cento cada vez mais pobres, excepto quando do lado da pobreza alguém ganha o euromilhões e se transforma em milionário excêntrico.

A única riqueza que ainda não é totalmente sonegada é a saúde individual. Mesmo assim continuarão a ser limitados universalmente os serviços públicos que a tornavam mais igualitária. Sim porque pobre dá muita despesa. Pode acabar o ano velho, mas não nasce um novo ano no quotidiano ilusório das vidas sem vida. Afinal o que comemoramos com urras e fogo de artifício é mais do mesmo. No entanto como não quero ser desmancha prazeres cumpro a tradição: um bom ano com saúde, paz e esperança no milagre de um mundo melhor.

MG

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:40


2 comentários

Imagem de perfil

De poetazarolho a 31.12.2015 às 18:37

Vem aí um ano novo
Velho já no conteúdo
Para ilusão dum povo
Renovada no entrudo

A alma foi penhorada
P'ró esqueleto salvar
No fim sobrou a ossada
De quem não pôde emigrar

São votos que se repetem
Paz, saúde e alegria
Mas até isso é penhorado

Logo a seguir prometem
O nascer do novo dia
Onde tudo será melhorado.
Imagem de perfil

De Naçao Valente a 01.01.2016 às 22:37

Que não seja uma roleta
e que haja muita alegria
um bom ano para o poeta
e também para a poesia.

Comentar post





Comentários recentes

  • Ametista

    Escapou-me dizer o quanto gostei do poema. Ternure...

  • Ametista

    Também tive muito gosto em visitá-lo... mas sabe q...

  • Naçao Valente

    Muito Obrigado. Desejo-lhe, em dobro, triplo...tud...

  • Ametista

    Passei para lhe deixar um abraço e o desejo de um ...

  • Partebilhas

    Gostei deste seu texto.Muito bem observado. Na rea...