Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Comentários recentes

  • Partebilhas

    Gostei deste seu texto.Muito bem observado. Na rea...

  • Naçao Valente

    Que não seja uma roletae que haja muita alegriaum ...

  • poetazarolho

    Vem aí um ano novoVelho já no conteúdoPara ilusão ...

  • Kruzes Kanhoto

    Presidente da Republica é um cargo decorativo. Ser...

  • simplesmente avô

    Talvez seja preferível "cem anos de solidão" a cem...



subscrever feeds



Fado dos Milhões

por Naçao Valente, em 27.02.17

milEnquanto os homens lutavam Com uma entrega total.
Outros homens conspiravam contra o novo Portugal.
Estas hienas que apertavam os garrotes da tortura.
Enquanto a democracia se distraia em ternura.
Estes homens que hoje saem da prisão em liberdade.
Cães que traiem , cães que rosnam E passeiam na cidade.

Que se passa? Então isto não é uma ameaça?
Ali andou mãozinha de reaça. Deixaram fugir mais oitenta e nove…
Que se passa? Então isto não é uma ameaça?
Ali andou mãozinha de reaça. Deixaram fugir mais oitenta e nove…
Fado de Alcoentre, Ary/Tordo


Que se passa? Então isto não é uma desgraça?
Ali andou mãozinha da gentaça? fugiram mais dez mil milhões…
Que se passa? Então isto não é uma vergonha?
Ali andou muita peçonha. Escaparam-se mais dez mil milhões…

A guita escapou-se para um qualquer paraíso.
O pobre país ficou ainda mais liso.
O fisco perplexo, fez um tímido  aviso,
Mas o governo estava perdido e indeciso.
Que merda

A grana raspou-se à socapa, com grande pinta.
O pagode distraído nem deu pela finta.
E por mais que o Paulo Núncio desminta.
Tem que haver alguém que o consinta
Que merda.

Quem foram os que cá dentro se calaram?
Quem foram os que de fora os ajudaram?
Quem foram os que sem piedade nos roubaram?
Por onde andam os que as leis, sem castigo, violaram?
Que merda!


Que se passa? Então não é uma pirraça.
Engana-se e bem a populaça. Dão à sola dez mil milhões…
Que se passa? Então isto não é uma chalaça.
Ninguém sabe o que se passa! E voaram dez mil milhões…

Ser comidos de cebolada é a nossa sina.
Somos vítimas de uma constante rapina.
Pró poder somos como uma grande mina.
Sempre a bombar para  alimentar a gente fina.
Que merda!

Estamos todos entregues aos abutres.
Não conseguimos dar-lhes com os butes.
Protegem-se todos os  ilustres.
Temos é que mudar de azimutes.
Que merda!

 

Que se passa? Então isto não é uma trapaça?

Andou ali mãozinha da reaça. Deixaram fugir mais dez mil milhões...

Que se passa? Então isto não é muita fumaça'

Andou ali mãozinha da reaça. Deixaram fugir mais dez mil milhões...

Fado dos milhões (José Mateus Gonçalves)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Eles comem tudo

por Naçao Valente, em 23.02.17

Passaram trinta anos que o cantor morreu. A sua obra fica. A sua vida é um exemplo de cidadania, ao serviço do seu país. Com a música como veículo, passou a sua mensagem, com desprendimento e entrega na defesa dos mais desfavorecidos. A denúncia da exploração esteve sempre presente nas suas canções. Sintonia entre o texto e a melodia.Eles comem tudo, os vampiros.

Passaram trinta anos e os vampiros estão ainda mais activos. A exploração do trabalho perdeu toda a vergonha. Eles comem, comem, querem comer cada vez mais. São insaciáveis. Em respeito por José Afonso, em sua memória, é preciso união  no combate pela dignidade humana. A luta tem de ser permanente, para não sermos devorados, porque eles comem tudo e não deixam nada.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A rapariguinha da livraria

por Naçao Valente, em 31.01.17

Para o leitor compulsivo entrar numa livraria é como para o crente religioso entrar na sua igreja. Com respeito e devoção. Percorre os altares, no caso prateleiras, Presta veneração aos santos, ou seja aos livros e aprecia os milagres que fazem na mente dos fiéis, os seus leitores. De quando em vez, arranca um livro à pasmaceira do seu dia-a-dia e consulta-o, porque o livro gosta de ser folheado e de partilhar com o leitor a sua intimidade. Acredito que livro sem leitor vive triste e aborrecido.
Depois da minha visita às estantes e de tirar do seu sono um ou outro exemplar, faço a minha opção, vejo se nos sentimos bem um com o outro e dirijo-me ao altar, digo caixa, para concretizarmos a relação, sempre por intermédio de um sacerdote ou sacerdotisa, a quem pago os respectivos emolumentos. Mas hoje, antes de me decidir, assolou-me o espírito uma dúvida que precisei de esclarecer. Dirigi-me à menina da caixa, que verdade seja dita, estava a concluir um contrato com outro cliente, Mas a minha questão era simples, coisa de sim ou não e arrisquei perguntar, infringindo a cerimónia em curso. A rapariguinha olhou-me de soslaio e disse: -“aguarde, pois estou a atender este senhor”.
Amochei. Que mais podia fazer. Eu sou prático e não gosto de complicar. Eu não, mas o meu outro eu, um pouco mais rebelde, e que vive escondido dentro de mim, logo começou a especular.


-Mas porque carga de água esta pitonisa de tranças pretas, não me diz sim ou não, obrigando-me a ficar a secar sem necessidade? Vendo as coisa pelo prisma que me é favorável, digo que se calhar engraçou com os meus lindos olhos e que me quer-me manter aqui em observação. Mas vendo as coisas do avesso, como numa pirâmide invertida, pode querer castigar-me por ousar interrompê-la no seu mister. Até me imaginei a captar o seu pensamento:-“aguente aí ó cota atrevido. Já tem idade para aprender a respeitar as precedências e a esperar pela sua vez".

.
Passado algum tempo o tal que vive escondido atrás das aparências, deu de frosque e foi refugiar-se nas páginas de um livro que, ao menos, esse nunca contesta. Quem o acolheu foi o escritor Mário Vargas Llosa, que aprecio na arte de bem pensar e melhor dizer. Estava ali um exemplar, meio oferecido, a fazer-me olhinhos, por acaso, o primeiro do autor e que ainda não li. E diz-se, na galeria dos lugares comuns, que não há amor como o primeiro, nem luar como o de Janeiro. Mas isso não sei porque, mês acabado, não lhe pus a vista em cima.
Quem me pôs a vista em cima, ou melhor os “olharápios” pintados de azul celeste, lindos, foi a rapariguinha da caixa, que se aproximou sorrateira. –Peço desculpa. O que desejava? Que óptimo livro que está a observar, que grande escritor, adoro”! Pois, balbuciei, para logo ser interrompido pelo eu clandestino


_o que tu queres, ó serigaita, sei eu, ou por outro lado penso que sei, o que não sendo idêntico vai dar ao mesmo. Vens-me agora com a tanga da conversa fiada, armada em gata , à espera que lhe façam festas que lhe ericem o pelo”.


-Pois, senhorita tem muito bom gosto, consegui dizer antes do intrometido me embaraçar, de novo, o discurso de conveniência.


“ Bom gosto? O que ela tem é um bom corpinho, nem muito gordo, nem muito magro, nem muito alto nem muito baixo. Na conta. Deixa-te mas é de literatices, ó palerma, afina o paleio e vê se a convidas para tomar um “shope”. Há tontas que se deixam levar por umas larachas. Aproveita. Não tens a vida toda.


-Então, mas qual era a dúvida? Insistiu a rapariguinha. –Nada, respondi, já está esclarecida. Vou levar este livro. Interessa-me. Tenho um fraquinho por este escritor, no que diz respeito à sua escrita, bem entendido.


“E também começo a ter um fraquinho pela senhorita, assim como uma chama que começa a crescer, a crescer” acrescentou o eu alternativo.


O que vale é que o bisbilhoteiro, só tem meios de pensamento, mas não tem formas de expressão, senão estava o caldo entornado. Paguei. Saí na companhia dos “Cachorros” . A rapariguinha da livraria, com os seus olhos de mar, o seu corpo de sereia, o seu peito de onda de surf, ficou na livraria com o meu eu escondido. O que se passou depois não sei. O que sei é que fiz o meu papel de cronista do
cota-diano.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Verdi, uma mensagem musical para a eternidade

por Naçao Valente, em 27.01.17

Giuseppe Fortunino Francesco Verdi (Roncole, nasceu em 10 de outubro de 1813 e faleceu em  27 de janeiro de 1901. Foi um simbolo do nacionalismo na Itália e grande compositor de óperas  no período romântico italiano. Deixou de viver fisicamente há 116 anos, mas continua a viver na sua música. As suas obras continuam presentes nos teatros de ópera. Alguns dos seus tema transcendem o mundo da música clássica e estão enraizados na cultura popular. Aqui recordamos o Coro dos Escravos Hebreus.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Construtores de muros

por Naçao Valente, em 22.01.17

Trump foi eleito como presidente dos Estados Unidos, contra todas as perspectivas e previsões. As razões desta eleição imprevisível têm sido abundantemente dissecadas. De todas as justificações uma conclusão se pode tirar: o candidato Trump conseguiu cavalgar o descontentamento de eleitores, desiludidos com aquilo que se chama globalização, apimentando-o com uma campanha populista e cheia de demagogia. Acrescem manobras obscuras de acordo com suspeitas levantadas por serviços de informação. Seja como for, a história faculta-nos exemplos de eleição de cidadãos sem competência para tão altas funções. Lembro o caso paradigmático da eleição de Hitler, que se aproveitou da irracionalidade dos votantes, num período de grande instabilidade.

É por demais evidente que Trump não tem qualificações para estar à frente do país mais poderoso do mundo. Daí que dentro e fora de portas esteja a gerar grande perplexidade. Sabe-se que está limitado pela Constituição e pelos órgãos parlamentares, mas olhando para as atitudes da personagem e pela equipa que o acompanha, as nuvens escuras continuam no horizonte.Mas pode Trump construir os muros que promete que, também como a história nos mostra, acabarão por ser derrubados. Trump, na sua ignorância, pode isolar-se na sua torre de marfim e causar perturbação e sofrimento, mas o mundo global que começou a construir-se com a expansão portuguesa, é irreversível. Como outros construtores de muros, Trump passará e o mundo continuará livre. O que é perturbável é que depois de tantos muros construídos e derrubados, ainda haja quem não tenha aprendido a lição e continue a acreditar na conversa fiada dos populismos.  

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

É sexta feira

por Naçao Valente, em 13.01.17

Tantos anos a dar cabo da cahimónia
para ser estagiário de seiscentos  patacos
ou privilegiado do salário mínimo da parvónia
que nem dá para comprar sapatos
Esfalfei-me para tirar o curso de Bolonha
fiz  na boa o velho Erasmus
com tanto empenho e nem fiz ronha
As gajas não ligam, mas que treta
que interessa ser bonito sem ter cheta

É sexta feira
andei a semana toda
teso e sem nenhum pilim
quero dar uma...
pimpimpim

Andam ai os figurões da alta roda
a dar cabo desta merda toda
e não há quem os ponha na alheta
e acabe de vez com esta treta
Tratam a banca com os joelhos
até nos rapam os pintelhos
e nós nunca lhes damos tampa
e ainda vamos levar com a "trumpa"

É sexta feira
tive uma semana chata
nem vi sombra de uma rata
nem o euromilhões me sai
aiaiaiai

Até pensei em emigrar para outros horizontes
mas na Europa está tudo louco
os jovens já contam pouco
e cortam-nos todas as pontes
Alguns  só pensam em brexitar
outros querem muito mais poder
e porque hoje é sexta-feira
digo que se vão fod.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O úlltimo Paraíso

por Naçao Valente, em 27.12.16

neteye.com.br
 
O Butão é um pequeno país situado a dois mil metros de altitude entre a China e a Índia. Ali vivem cerca de sentecentas mil pessoas, num recanto perdido do planeta, que teima em ficar fora da globalização e da ditadura dos seus omnipresentes mercados. Na capital do Butão as ruas são limpas, tranquilas e despoluídas. Com uma política de desenvolvimento controlado, evita-se a exploração massiva dos recursos naturais e preservam-se as suas montanhas da destruição alpinista. É contribuinte líquido para a pegada ecológica.
 
O Butão encontra-se em oitavo lugar no índice FNB(Felicidade Nacional Bruta). Entre outros indicadores encontram-se a educação e a saúde gratuitas. País essencialmente agrícola, privilegia o bem estar colectivo em detrimento do trabalho sem regras e do consumo como felicidade. Mas não existe pobreza no Butão? Existe como em todos os países desenvolvidos. A diferença é que aqui procura-se diminuí-la pela via de uma repartição mais equitativa da riqueza, dentro do princípio do equilibrio entre valores materiais e espirituais.
 
Em época natalícia, considerada de paz e solidariedade, vem a talhe de foice lembrar um conceito de vida que está nos antípodas das valores dominantes nas sociedades do liberalismo capitalista  - a corrida atrás de uma ilusão de felicidade para parte nenhuma. Ali naquele canto perdido dos Himalaias reside o verdadeiro Shangri-la. Ali está, talvez, o último reduto onde o espírito do autêntico Natal ainda existe.
 
MG 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Nasceu um menino

por Naçao Valente, em 25.12.16

Nasceu um menino
como  anunciado
sem maternidade
sem berço dourado,
numa manjedoura
se encontra deitado,
por reis adorado
por reis odiado.
Do homem nascido
na mulher gerado
com dor foi parido
 em palhas deitado,
José, o protege
o louva Maria,
a estrela cadente
dança de alegria.
Destino traçado
pregado na cruz
mas não derrotado
seu nome é Jesus,
nascido em Belém
para ser louvado
para sempre, amém
e trazer a esperança
ao ano que vem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Carta ao menino Jesus

por Naçao Valente, em 25.12.16

Ó meu menino Jesus
nas palhas adormecido
acorda por um momento
que este mundo está...lixado
 
Meu amado menino,
 
Vais fazer dois mil e catorze anos. Que linda idade. E continuas sempre menino. A noite de 24 de Dezembro comemora o teu nascimento, apenas o teu nascimento. Contudo, os homens associaram a esta data uma outra figura a que chamaram Pai Natal e que te tem roubado protagonismo. Mas tu com a tua humildade não te importas. Para mim serás sempre o aniversariante. Era assim na minha infância e assim continua a ser. Era com enorme alegria que nessa noite punha o meu sapatinho na chaminé e ia dormir ansioso pela tua visita. Nunca me desiludiste. Ao acordar havia sempre uma prendinha. Modesta, certamente, mas era o que podias dar. Compreendia a dificuldade em satisfazeres tanta solicitação. Como compreendia que não conseguisses responder a todos os pedidos. Tanto mais que havia criança que nem sapato tinha no pé, quanto mais na chaminé. Havia e há. Não é culpa tua os homens não seguirem o teu exemplo.
 
Agora já não ponho o sapatinho na chaminé. Isso é fantasia de menino que já não sou. Mesmo aqueles que o são já nada te pedem. Entregam a sua lista de prendas ao dito pai Natal e esperam junto de um simulacro de pinheiro, carregado de bugiganga, que ele lá as deixe. Muitos certamente não te conhecem. Não tardará tempo em que tudo se passará na Net. Sinal dos tempos. Deixa lá, ficas mais liberto para outras tarefas. É por isso e em honra da nossa velha amizade e da minha fidelidade que ouso pedir-te um pouco de atenção.
 
Não te vou pedir aquelas coisas vulgares e repetitivas: paz, amor, felicidade etc. Seria interferir no livre arbítrio que generosamente deste à humanidade. É certo que alguns confundiram-no com lixar o próximo. A ideia de "amai-vos uns aos outros" foi submergida pelo egoísmo que pauta a natureza humana. Haverá excepções, mas o que interessa é a regra. O que te peço neste mundo onde nem todos têm sapatinho é que faças o milagre de iluminar aqueles que te representam. Que não se limitem a repetir rituais seculares. Que retomem a tua mensagem de menino em palhas deitado. Que denunciem as injustiças sociais. Que critiquem os poderosos e a sua luxúria. Que se escandalizem com a pobreza no meio da abundância. Que não bajulem o cinismo de políticos demagógicos. Que sejam uma voz de esperança para uma vida digna de todos, sem excepção. Dois mil anos depois é tempo do reino dos céus descer à terra. Pela nossa amizade e pela nossa confiança volto a colocar o meu sapatinho na chaminé.
MG
 
BOAS FESTAS
 
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Fidel

por Naçao Valente, em 26.11.16

Fidel de Castro já é uma lenda. Derrubou uma ditadura e sobre as suas cinzas instituiu outra, mas não tinha alternativa. No contexto em que decorreu a revolução cubana, a sua sobrevivência estava dependente de um poder fortemente centralizado. A hostilidade do poderoso vizinho americano contribuiu para reforçar esse poder, e ironicamente para a sua manutenção. O embargo dos Estados Unidos colocou Fidel na órbitra da União Soviética e com o seu apoio garantiu a consolidação do regime.Fidel conseguiu libertar-se da influência do imperialismo norte americano e nesse sentido serviu como modelo para outros países da américa latina. Mas no tabuleiro da geo-política, no período da guerra fria, ficou isolado como um mau exemplo.

O regime cubano, não pode ser analisado na perspectiva dicotómica de ser uma terrível e desumana ditadura ou de  um imaculado regime comunista, que trouxe a igualdade e o bem estar social. Foi o que pôde ser nas circunstâncias em que se desenvolveu. Com os limitados recursos existentes, conseguiu instituir um sistema de saúde e de ensino avançados, e ao serviço da população.Não é coisa pouca. É verdade que continuaram a verificar-se elevados níveis de pobreza. Mas poderia ser de outra maneira num pequeno país isolado internacionalmente? E era melhor nos tempos de Fulgêncio Batista? E tinham melhores condições de vida os povos de outros países latinos, mesmo onde existia democracia?

Fidel ficará na História como um líder carismático, e como o homem que ousou desafiar a grande América, e que continuou como um espinho cravado na sua hegemonia ocidental. O comunismo cubano evoluirá como outros regimes similares para uma progressiva abertura política. Cuba foi governada com mão de ferro por Fidel. Partiu o homem, mas a sua memória perdurará.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)




Comentários recentes

  • Partebilhas

    Gostei deste seu texto.Muito bem observado. Na rea...

  • Naçao Valente

    Que não seja uma roletae que haja muita alegriaum ...

  • poetazarolho

    Vem aí um ano novoVelho já no conteúdoPara ilusão ...

  • Kruzes Kanhoto

    Presidente da Republica é um cargo decorativo. Ser...

  • simplesmente avô

    Talvez seja preferível "cem anos de solidão" a cem...



subscrever feeds